Quando eu ia para a Música por José Luís Peixoto

O tempo passava. Hoje, para mim, esse é o grande mistério. Antes, naquela idade, iluminado pela luz de outono que chegava depois da chuva e que atravessava as vidraças da Sociedade Filarmónica, eu estava sozinho numa sala com chão de madeira. Havia buzinadelas de trombones ou guinchos de clarinetes que chegavam de outras salas, atravessavam …

O Tempo do Oceano por José Luís Peixoto

De manhã, enquanto tomo o pequeno-almoço, vejo o oceano Atlântico através da janela da minha cozinha. Há dez anos, nas difíceis opções do mercado imobiliário, esta vista foi um dos principais motivos que me levou a escolher casa. O sétimo andar permite a ilusão de um posto fora do mundo, propício à análise e à …

Liberdade por José Luís Peixoto

Deixa tudo o que planeaste para o dia de amanhã e vem. Não são os teus planos que garantem a sobrevivência do mundo. Depois destas paredes, há campos, rios, montanhas, planícies, desertos; depois deste teto, há o céu e o sol. Se vieres agora comigo, o mundo não vai acabar. Os prazos podem esperar, a …

A Magazine Nº4

COMPRAR Design gráfico e ilustração de Camila Ferreira Francisco Costa Gabriel Sousa Guilherme Clichê Henrique guerreiro Inês Lopes João Bettencourt Bacelar José Carlos Barros Pedro Não Bonito Textos de João Rodrigo Pinto José Luis Peixoto Susana Jacobetty

Edificação do pôr-do-sol por José Luís Peixoto

por José Luís Peixoto Temos estas palavras. Agora, é aqui que estamos. Reparaste que utilizo a primeira pessoa do plural, nós, refiro-me, claro, a ti e a mim. Talvez haja outras pessoas a ler este texto mas, agora, neste preciso agora, só podemos ter a certeza de nós, somos os únicos aqui. Eu sei que os …